Rietiveld

O dia que larguei de ser red, yelllow and blue. Quando estava na escola me diziam de escolas como Bauhaus, Construtivistas russos como o Malevich com seu suprematismo e etc e eu não entendia nada daquilo mas tinha um cara, meio pragmático que me impressionava que era este tal de Rietiveld. Todo cartesiano cruzava superfícies e faixas e ia montando mesas cadeiras, letras, cartazes e até casas, numa espécie de lego chic, lego cabeça, onde as peças induziam provocativamente a industrialização, a produção seriada de qualidade. Pouca invenção de novas formas, nada de Meldelsonh ou Niemeyer, gestuais, mas módulos pronto para compor idéias diversas. Me intrigava porque o resultado não era nada enfadonho, era rico, meio minimal meio desbundado porque proliferavam invenções. Quando achavam que o cara era um mero empilhador de faixas e planos ele aparece com uma incrível cadeira nominada ZIG ZAG, estranhíssima, impossível, incrível. Ah! isto não para em pé e parava e é linda.

Tempos atrás ganhei duas grandes mesas, uma de mdf (do Saul Vilela) com 245cmx135cm com 3,6cm de espessura, pesadíssima mas longe do peso de um pranchão de angelim com 6,30mx52cm e com espessura de 7cm. Para transforma-las em mesa fiz uns desenhos pensando em como comprar e montar seus pés e acabei caindo numa espécie de Rietiveld caseiro e aí sim descobri que o cara sabia tudo de pré-fabricação, de pensar peça por peça, de todo o conjunto e estabelecer etapas e processos de montagem. Fui aqui ao lado numa pequena fornecedora de madeira (pau prá toda obra) e passei uma lista de bitolas e dimensões lineares, trouxe para o escritório com os parafusos também pensador e necessários além de brocas para perfurações. Eram madeiras de bitolas normalmente utilizadas em telhados, Parajú, dura prá caramba mas de alta performance estrutural e foi com elas que fiz meus toscos Rietiveld.

Hoje os desmontei, não servem mais, não ficaram tão bonitos para a nova fase do escritório, mais chegado a produções não tão caseiras, cheio de computadores (bom também), projeções e servidores com usuários para cada tipo de acesso. É uma nova era na minha vida onde tenho que compartilhar outras visões, novas, joviais e com latências velozes. Não ando tendo tempo de analisar estas questões, estou indo na onda, com algumas briguinhas discursivas e de alguns momentos de recuos. Sem nenhum drama mas hoje desisti de meus arremedos de Rietiveld. Me perdoe mestre mas os tempos mudam, mudaram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *